Image
Top

description  descrição

USING INFRAESTRUTURE AS A WAY TO TRANSFORM HERITAGE INTO LEGACY

What should the form of transport infrastructure be in a heritage city?
It is obvious that infrastructure has a huge impact in shaping public space, both for the good and for the bad. Infrastructure is needed to channel and nurture the dynamics of development; heritage is normally seen as resistance to it. So, transport infrastructure in a context of valuable heritage may need to shifts its paradigms, be able to blend into the existing, pay homage to the tradition of the place, and simultaneously reflect the speaks to the moment it was created.
The Gaia Cablecar project in Porto is exemplary in the way it responds to the challenge of integrating forces moving in opposite directions. The project was a private commission responding to a demand; advocate for public space. The battle of Menos é Mais was to use the infrastructure as a driver of heritage enhancement by improving the way citizens of the Porto can move within the city without affecting the existent constructions.
This capacity requires respect for the context, conscience of public space, but at the same time a profound knowledge of technique. As they explain, it was a matter of “nesting” two large machines in the cityscape with minimum impact.
These are the kinds of lessons that are capable of delivering powerful design responses to complex questions.
They were able to distill the form of the infrastructure so elegantly that the new pieces of machinery became part of the identity of city without relinquishing their efficiency.

15th International Architecture Exhibition Reporting From the Front
Catalogue Production- Marsilio Editori, Venice, Italy
Editing- Oltrepagina, Verona



USAR A INFRAESTRUTURA COMO MODO DE TRANSFORMAR O PATRIMÓNIO EM LEGADO.

Que forma deve ter uma infraestrutura de transporte na cidade histórica?
É óbvio que a infraestrutura tem um enorme impacto moldando o espaço público, tanto para o bem como para o mal. A infraestrutura é necessária para estimular a dinâmica do desenvolvimento; o património é normalmente visto como resistente a esta mudança. Desta forma, a infraestrutura de transporte no contexto de valorização patrimonial precisa de repensar este paradigma, ser capaz de combinar as pré-existências, prestando homenagem à tradição do local, e simultaneamente refletir o discurso do momento em que foi criada.
O projecto do Teleférico de Gaia, no Porto, é exemplar no modo de responder ao desafio de integrar forças que se movem em direções opostas. O projecto foi uma encomenda privada respondendo à necessidade de criar espaço público. A batalha da Menos é Mais foi tirar partido da infraestrutura como motor de melhoramento da mobilidade na cidade sem afectar as construções existentes.
Esta capacidade requere respeito pelo contexto, consciência do espaço público, e simultaneamente um profundo conhecimento tecnológico. Como eles explicam, foi uma questão de encaixar duas grandes máquinas com impacto mínimo na paisagem.
São estes os tipos de ensinamentos que tem a capacidade de produzir um desenho poderoso como resposta a questões complexas.
Eles foram capazes de destilar elegantemente a forma da infraestrutura de modo a que as novas peças de maquinaria se tornem parte da identidade da cidade sem renunciar à sua eficácia.

15th International Architecture Exhibition Reporting From the Front
Catalogue Production- Marsilio Editori, Venice, Italy
Editing- Oltrepagina, Verona


team  equipa

Project

December 2015 – May 2016

Construction

May 2016

Client

La Biennale

Localization

Arsenale di Venezia, Italy

Area

45m²

 

Architecture

Architects

Cristina Guedes + Francisco Vieira de Campos

Project Team

Cristina Maximino, Inês Mesquita, Pedro Rocha,Adrian Sifres, Inês Batista

Special thanks to

Alberto Collet, Alberto Plácido, António do Fundo, Francisco Providência, Luís Tavares Pereira, Teresa Novais

Sponsors

Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, TELEF- Transportes por Cabo e Concessões

Photography

Ricardo Loureiro


Projecto

Dezembro 2015 – Maio 2016

Construção

Maio 2016

Cliente

La Biennale

Localização

Arsenale di Venezia, Italia

Área

45m²

 

Arquitectura

Arquitectos

Cristina Guedes + Francisco Vieira de Campos

Equipa de Projecto

Cristina Maximino, Inês Mesquita, Pedro Rocha,Adrian Sifres, Inês Batista

Agradecimentos

Alberto Collet, Alberto Plácido, António do Fundo, Francisco Providência, Luís Tavares Pereira, Teresa Novais

Patrocinadores

Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, TELEF- Transportes por Cabo e Concessões

Fotografia

Ricardo Loureiro


.