teleférico de gaia estação baixa

vila nova de gaia

++

Máquinas na Paisagem

Projectar numa paisagem tão impressionante, como a do novo eixo Serra do Pilar | Cais de Gaia, aliada ao entendimento da complexidade tecnológica de um teleférico, constitui-se como desafio desta intervenção.
O projecto busca uma síntese de exigências e conquistas da técnica com o desejo de uma intervenção de impacto mínimo. Neste sentido, investiga-se o diálogo entre a criação de um novo eixo urbano – axial, funcional e visual –, caracterizado pela introdução de um movimento fortíssimo na paisagem e o tecido urbano sedimentado.
Esta tipologia com uma abordagem lúdica e funcional, considera a dinamização local ligando as caves de vinho do Porto e a marginal, situadas à cota baixa, ao metro e à Serra do Pilar, situadas à cota alta. Trata-se verdadeiramente de uma única peça, em dois actos.

Estação Baixa – Tensionamento

A implantação do edifício da Estação Baixa na marginal do rio Douro privilegia o uso público do espaço melhorando a acessibilidade, para o qual também contribuiu a concepção da peça sobrelevada que constitui a plataforma de embarque | gare do teleférico. O conceito arquitectónico da estação baixa reside numa estrutura simples e pragmática inspirada na ossatura de um barco: um esqueleto de aço com ripados verticais de alumínio suspenso sobre uma estrutura central (quilha) em betão, formando duas grandes consolas. A colocação de duas escadas rebatíveis e suspensas tornam estanque o edifício quando o serviço está encerrado, sem ser necessário recorrer a vedações, garantindo a segurança do espaço.

A forma arquitectónica surge como marcação da axialidade própria deste tipo de equipamento, onde o eixo imaterial – do movimento ao longo do trajecto em cabo – coincide com o eixo físico e estrutural do edifício que incorpora os postes da Estação. O eixo estrutural de suporte dos edifícios é também eixo infra-estrutural, concentrando diferentes equipamentos de apoio ao teleférico (bilheteiras, posto informativo, sanitários, quiosques), enquanto a plataforma de embarque surge sobrelevada. A forma ritmada dada pelo ripado confere uma aparência mutante ao objecto, com suaves efeitos ópticos de transparência e opacidade conforme o ponto de observação e de acordo com as mutações de luz ao longo do dia, introduzindo-se o ritmo, a cadência, o tempo, o muito que se vê e o muito que se oculta.

Concurso2007 (1ºprémio)


Projecto2007-2009


Construção2009-2011


ClienteTELEF – Transportes por Cabo e Concessões


LocalizaçãoVila Nova de Gaia, Portugal


Área411m² estação baixa


ArquitectosFrancisco Vieira de Campos e Cristina Guedes


Coordenação de ProjectoFrancisco Vieira de Campos


Equipa de ProjectoFrancisco Lencastre, Cristina Maximino, Adalgisa Lopes, Joana Miguel, Inês Ferreira, Pedro Costa, Ana Matias, Ana Leite Fernandes, António Ferreira, João Pontes, Luís Campos, Mariana Sendas, Tiago Souto e Castro, Miguel Brochado, Pedro Azevedo

Estruturas Miguel Guimarães – Struconcept, Lda

Instalações Hidráulicas Struconcept, Lda

Instalações e Equipamentos Electricos, Segurança e Telecomunicações RGA, SA

Acondicionamento Acústico Proensal, Lda

Equipamento do Teleférico Doppelmayr Seilbahnen, GmbH

Paisagismo Luís Guedes de Carvalho

Tratamento de Imagem Ricardo Cardoso, Óscar Ribas, Diogo Lage

Design de Comunicação
Francisco Providência

Fotografia
Alberto Plácido

+conteúdo