teleférico de gaia estação alta

vila nova de gaia

++

Máquinas na Paisagem

Projectar numa paisagem tão impressionante, como a do novo eixo Serra do Pilar | Cais de Gaia, aliada ao entendimento da complexidade tecnológica de um teleférico, constitui-se como desafio desta intervenção.
O projecto busca uma síntese de exigências e conquistas da técnica com o desejo de uma intervenção de impacto mínimo. Neste sentido, investiga-se o diálogo entre a criação de um novo eixo urbano – axial, funcional e visual –, caracterizado pela introdução de um movimento fortíssimo na paisagem e o tecido urbano sedimentado.
Esta tipologia com uma abordagem lúdica e funcional, considera a dinamização local ligando as caves de vinho do Porto e a marginal, situadas à cota baixa, ao metro e à Serra do Pilar, situadas à cota alta. Trata-se verdadeiramente de uma única peça, em dois actos.

Estação Alta – Motriz

A Estação Alta, colocada inicialmente no jardim do Morro com os mesmos pressupostos da Estação Baixa, passa posteriormente a ser implantada na encosta obrigando à reformulação total dos conceitos estabelecidos. A nova construção, mais exposta e com maior área e visibilidade, conduziria a um projecto inevitavelmente marcante na paisagem o que obrigaria a um constante jogo de escalas.

Constitui um novo desafio albergar a nova infra-estrutura com impacto mínimo na paisagem e respondendo aos complexos requisitos técnicos e estruturais necessários à construção de uma Estação Motriz. Deste modo, tornou-se um edifício de grande complexidade geométrica e, assim, também estrutural.

A Estação Alta dissimula-se no muro | contraforte existente e pretende ter um carácter neutro e abstracto, sem linguagem, quase intemporal. O projecto concilia a ortogonalidade do casario com a obliquidade do eixo do teleférico, contrapondo o carácter monumental da construção na escarpa com a escala doméstica das habitações adjacentes. O acesso à cota alta é possibilitado a partir de rampas e escadas que dão acesso à cobertura-miradouro, que consolida e remata o muro contrafortado existente. Tal como um “caminho de ronda”, explora-se a fruição do local e a vista sobre o Porto.

Concurso
2007 (1ºprémio)


Projecto

2007-2009


Construção

2009-2011
Cliente

TELEF – Transportes por Cabo e Concessões
Localização

Vila Nova de Gaia, Portugal
Área

2.520m² estação alta
Arquitectos

Francisco Vieira de Campos e Cristina Guedes
Coordenação de Projecto

Francisco Vieira de Campos
Equipa de Projecto

Francisco Lencastre, Cristina Maximino, Adalgisa Lopes, Joana Miguel, Inês Ferreira, Pedro Costa, Ana Matias, Ana Leite Fernandes, António Ferreira, João Pontes, Luís Campos, Mariana Sendas, Tiago Souto e Castro, Miguel Brochado, Pedro Azevedo

Engenharias Estructuras

Miguel Guimarães – Struconcept, Lda
Instalações Hidráulicas

Struconcept, Lda
Instalações e Equipamentos

Electricos, Segurança e Telecomunicações
RGA, SA


Acondicionamento Acústico

Proensal, Lda
Equipamento do Teleférico

Doppelmayr Seilbahnen, GmbH
Paisagismo

Luís Guedes de Carvalho
Tratamento de Imagem

Ricardo Cardoso, Óscar Ribas, Diogo Lage

Design de Comunicação

Francisco Providência
Fotografia

Alberto Plácido

teleferico de gaia estacao baixa
+conteúdo